Header Ads

Extensão do território do Ceará afetado pela estiagem cai pela metade



As chuvas ocorridas em abril deste ano contribuíram para redução dos efeitos da seca no Ceará. Conforme estudo dos institutos de meteorologia, o estado terminou o mês de abril com 36,82% do seu território livre da estiagem.

Até março deste ano, 74,52% do território cearense encontrava-se com algum nível de estiagem. Os dados fazem parte do Monitor de Secas do Nordeste, divulgado na manhã desta terça-feira (15).

As chuvas ao longo da quadra chuvosa apresentaram resultados positivos entre fevereiro e abril, principalmente. Em abril, o volume de chuva ficou 12% acima do esperado para o mês.

“Todas as modificações que foram feitas no Ceará são com base nas informações de chuva de curto prazo (3, 4 e 6 meses). O Índice de Precipitação-Evapotranspiração Padronizado (SPEI) foi determinante para essas modificações, pois leva em consideração não só a chuva, mas também a evaporação”, explica o supervisor da Unidade de Tempo e Clima da Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), Raul Fritz.

Ainda segundo o estudo, os dados atuais do estado são os melhores desde maio de 2017, quando o Ceará apresentou 41,88%. Além da área sem seca relativa, o Ceará não apresenta nenhuma porção dentro das categorias extrema ou excepcional, que são os piores níveis. Conforme o Monitor, em março o porcentual sem seca no Estado era de 25,48%.

Apesar dos resultados positivos, é preciso cautela, pois ainda há 63,18% do território com algum nível de seca relativa, sendo 8,31% dentro da categoria grave em áreas que estão localizadas na região Jaguaribana e no Sertão Central e Inhamuns. Este cenário indica que o estado permanece sob impactos negativos de longo prazo, ou seja, interferindo diretamente na ecologia e hidrologia, conforme o estudo.

“No sul dos Inhamuns, a seca permanece grave, pois os quantitativos de chuva, mesmo no curto prazo, não foram equivalentes a outras áreas do Cerá como, por exemplo, o Cariri. Isso se refletiu no SPEI, entre outros indicadores", comenta Fritz.


Sobre o Monitor de Secas

O Monitor de Secas é um processo de acompanhamento regular e periódico da situação da seca no Nordeste, cujos resultados consolidados são divulgados por meio de mapas.

Mensalmente, informações sobre a situação de secas são disponibilizadas até o mês anterior, com indicadores que refletem o curto e o longo prazo, indicando a evolução da seca na região.
















Fonte: G1 - CE

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.